Siga

December 18, 2018

December 12, 2018

December 5, 2018

Please reload

Posts Recentes

POR QUE NÃO SOU CRIATIVO? 2

June 24, 2019

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

DESIGN: TRANSFORMADOR DO FUTURO (II/III)

February 3, 2017

Capítulo II
A ARTE DA CONEXÃO PURA

 

Seguir uma tendência é chegar atrasado demais. Claro que criar uma seria um duro desafio a ser encarado, compreendido e colocado em prática. Mas, há quem mergulhe de olhos abertos nesse tipo de “loucura”. Quando Mike Markkula escreveu a Filosofia de Marketing da Apple, ousou de uma forma completamente nova, já que as empresas de tecnologia à época, simplesmente lançavam produtos baseados apenas na opinião de executivos tecnocratas. Seguir um caminho contrário, ainda mais concorrendo com gigantes como a IBM, seria um risco demasiadamente impensável.

 

Os princípios usados para codificar o DNA da marca Apple serviram para definir o futuro da empresa. O primeiro foi a empatia, uma conexão íntima com os sentimentos do cliente: "Nós realmente entenderemos melhor suas necessidades do que qualquer outra empresa", defendeu Markkula. Isso consolidou a empresa no caminho de quase sempre antecipar as necessidades de seu público.

 

O projeto Macintosh tinha esse objetivo. Como resultado, evoluiu para se assemelhar a um rosto humano. Com a entrada de disco abaixo da tela, a unidade era mais alta e mais estreita do que a maioria dos computadores, sugerindo uma cabeça humana. Mesmo que Steve não tenha desenhado nada no projeto, suas ideias e inspiração o tornaram único. A equipe de projetistas não sabia o que significava um computador ser “amigável", até que Steve mostrasse como. Talvez o maior salto conceitual que Steve Jobs fez nos primeiros dias da Apple foi reconhecer que dispositivos de alta tecnologia poderiam interagir com a emoção das pessoas. Ao longo dos anos, a Apple fez dispositivos de ponta parecem amigáveis, e isso é uma estratégia de design destinada a atrair consumidores novatos e as pessoas saturadas de equipamentos chatos e sem graça.

 

E pensar que estamos falando de equipamentos eletrônicos. E pensar também que o Design se aplica a estratégias de relacionamento, mesmo que ele se inicie na concepção estética de algo concreto. Seja um prato, uma garrafa, uma decoração, uma taça, um acabamento, um corte de cabelo, uma viagem, um tanque de gasolina cheio, um buquê de flores, etc. Não importa, desde que seja feito para atingir o coração de seres humanos de verdade, pessoas que sentem e buscam sentir, para além do que veem.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload